Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

saracasticamente

O lado G da vida #10

Sou o irmão do meio, entre duas mulheres, uma que é casada há anos e não tem o mínimo de vontade de ser mãe e outra que até tem vontade mas não tem com quem reproduzir.

 

Depois há o B., o gay que se começa a perspectivar perante os seus pais, como o elemento mais favorável à continuidade da "dinastia", ou assim parece após a conversa do jantar de há uns dias.

 

Foi mais ou menos isto:

 

Pai: Oh B., tu não achas que eu e a tua mãe já merecíamos um netinho?

B: Pai, tens noção que eu de forma natural não me vou reproduzir certo? Além do mais, isto da adoção é bonito mas não se chega a uma instituição, pegamos numa criança e a trazemos para casa..

Pai: Eu sei, mas vocês agora até podem adotar. Tu pronto, és solteiro e tens mau feitio, mas tens casa, emprego fixo, se calhar até davas uma boa educação...

Mãe: Pois é, tu até vais gostando de crianças...

B: Eu mal de pessoas gosto, e com elas vou conseguindo comunicar...imaginem com uma criança a cargo..

Pai e Mãe (a encolher os ombros a falar um para o outro): Ele vai pensar nisso! Vais ver!

 

Temo pelo clã "Dias" e pela esperança que os meus pais depositam na geração futura quando eu sou visto como o mais provável e aparentemente desejável elemento para construir uma família padrão...

37 comentários

Comentar post