Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

saracasticamente

Entretanto num parque de estacionamento algures na cidade do Porto...

Enquanto tentava introduzir o cartão na máquina de pagamento diz o funcionário do parque "meta todo lá dentro, tem de o meter todo lá dentro".

 

 

Mas nada. Nem metendo só a pontinha, nem metendo todo.

Teve de ir lá o senhor auxiliar, e diz "ele está húmido, o que também ajuda". 

"Se húmido não entra, seco então é que não entrava mesmo" - respondo eu.

E ele diz que eu estou a levar a coisa para outros campos...

 

A sério que a culpa é minha?! 

É Natal... Mas não abusem da minha paciência!

Este fim de semana eu, e mais uns tantos milhões de pessoas, fui ao shopping fazer compras de Natal. A minha antevisão do projecto de vida que seria estacionar o carro não se concretizou. Parques de estacionamento com sinal verde foram uma realidade nada esperada. A fila da caixa da Primark também não ia até à porta como eu tinha antecipado. Contrariamente a todas as minhas previsões foi uma noite tranquila de compras.

O que eu não adivinharia é que o problema seria sair do lugar de estacionamento. Uma qualquer abécula decidiu estacionar o carro atrás do meu, naquele que seria local de passagem e não de estacionamento. Tirar o meu carro do estacionamento foi o desafio do fim de semana. Entrar novamente no shopping, dirigir-me ao balcão de atendimento ao cliente e reportar a situação, ouvir a cantilena "pede-se à besta proprietária do veículo... que se dirija junto do mesmo" e esperar que a besta se digne a chegar lá, seria permanecer, pelo menos, mais meia hora no shopping. Decidi então tirar o carro com ajuda dos sensores de estacionamento, que nunca tocaram tanto em toda a sua existência, e do meu irmão que  estava comigo. Anda, podes, mais um bocadinho, está bom, agora para o outro lado, calma, chega mais um bocadinho à frente, chega atrás... Foram 5 minutos disto.

Já com o carro tirado desabafo:

- Vou perguntar a esta besta se é só estúpido no Natal ou se também é assim no resto do ano - digo eu enquanto preparo uma caneta e um papel.

- Vais deixar um bilhete?

- Vou.

- A dizer o quê?

- A perguntar se é uma besta só no Natal ou se é assim o ano todo!

- Vais mesmo escrever isso? 

 

Claro que escrevi mesmo isso! E ainda acrescentei que fazia votos de um 2016 com mais respeito pelos outros.