Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

saracasticamente

Íman de gays

Sou um verdadeiro íman de gays, sejam homens ou mulheres. 

 

Ainda há dias, um tipo claramente gay me dizia que eu fazia o género de mulher dele.

Minutos depois estava a partilhar este comentário com um amigo que me explicou que o facto de eu ter uma personalidade muito masculina confunde os tipos que ainda não saíram do armário.

 

Ou seja, hetero ou homossexual, eu só atraio malta não resolvida...

Da saga continuar solteira

Conversa com a família:

 

Mãe: Chegaste tarde ontem, deves ter ido tomar café à Póvoa.

Eu: Até não cheguei tarde, estive foi na rua na conversa.

Mãe: Estiveste na conversa com quem?

Eu: Com o A, fui com o A tomar café. 

Mãe: Com o que é gay?

Eu: Sim. E logo tenho os anos do B.

Pai: E vai muita gente?

Eu: Não, só eu, a R, a N, outra amiga dele e um amigo.

Pai: E o amigo também é gay?

Eu: Sim.

Pai: Oh filha! Andas com umas companhias...

 

Um dia que eu diga à família que vou ter um encontro com um gajo hetero imagino a seguinte conversa:

 

Eu: Vou sair com um gajo hetero.

Pais: Não venhas com pressa. Podes até passar a noite fora. Volta grávida!

 

Sim, tenho a certeza que vão chegar a este nível de desespero...

O lado G da vida #5

Uma vez que Portugal está na final do Europeu, e o Ricardo Quaresma não está cá ainda para cumprir os deveres matrimoniais, decidi partir à descoberta de novos horizontes.

 

Comecei a falar com um homem, giro, barbudo, masculino, enfim...os ingredientes que mais importam, e tive um bom 1º encontro, no qual ficou a promessa de um 2º em breve.

 

Assim, e neste sábado passado, estive com ele.

 

Cenário: Beira-Mar

Estado Mental: Ansiedade

Expectativa: Uns amassos (pelo menos)

Dress-code: Descalabro

Resultado: Tirem-me deste filme

 

Foi aqui que tudo piorou!

Quem é que no seu perfeito juízo vai a um 2º encontro de calções de praia, chinelos e manga cava?! QUEM?! Um pedacinho de mim faleceu...

 

Mas, como um azar nunca vem só, o homem que fotografa que é uma maravilha, que de casaco e calças é um pedaço de mau caminho, só de calção de banho é uma desilusão.

 

É todo um roça-roça de coxas(para mim, as coxas são duas entidades que vivem no mesmo corpo mas nunca se devem cumprimentar), há todo um conjunto de barrigas que se unem..enfim, não há descrição dramática o suficiente para o que me passou pela cabeça.

 

Deste modo, tomei a atitude certa e enviei a mensagem do "...a culpa é minha, não é tua!" e aceito a culpa de apesar do interior dele poder ser efetivamente deslumbrante, quando o exterior é como vi, não me é possível continuar.

 

É assim, o lado G da vida

B.

Insólito mas aconteceu

O insólito de hoje não aconteceu comigo mas poderia ter acontecido.

E eu sinto-me muito feliz por poder partilhar convosco uma desgraça que não ocorreu a mim!

 

Ora então contaram-me, uma fonte seguríssima, que uma mulher (doravante designada fulaninha X) casou com um gajo homossexual. Até aqui nada de novo. O marido engata-se com outro gajo e deixa a mulher, sem nunca lhe ter contado as verdadeiras razões do divórcio.

Fulaninha X segue com a sua vida e casa uma segunda vez. Tempos depois apanha o novo marido na cama com outro gajo. Novo divórcio.  

Como mulher resiliente que é (e parva, acredito que também seja parva) enamorou-se e casou uma terceira vez.

 

E adivinhem... O terceiro marido também é gay!

Mas shiiiuuu... Ela ainda não sabe!

 

 

Em busca de uma fronha hidratada - parte 2

Como vos contei no post anterior iniciei há umas semanas a busca por um creme hidratante que solucionasse a desidratação intensa que se tinha apoderado da minha pele.

 

Uma vez que tinha saído da perfumaria de mãos a abanar devido ao péssimo atendimento a que fui sujeita, decidi experimentar um creme/máscara que a minha mãe tinha comprado algum tempo antes para um problema semelhante. Ao fim de duas utilizações do creme a pele dela já estava quase como nova, a minha ao fim de 5 dias estava na mesma.

 

Decidi então voltar à perfumaria, desta vez a uma da concorrência.

Chego lá e deparo-me com um gajo giro que se farta. O tipo tinha um rosto forte, um corpo definido, um olhar expressivo, uma voz sensual, um... De que é que eu estava mesmo a falar?! Ah, pois, do creme! Continuando... Expliquei o que se passava com a minha pele, referi o creme que estava a usar e a inexistência de resultados. Após a minha exposição ele intervém, e foi mais ou menos assim:

 

"O produto que está a usar é um bom produto mas se não está a satisfazer a sua pele temos de dar-lhe outra coisa. Aconselho-a a não adquirir nada sem experimentar porque pode investir em algo que também não a satisfaça. Eu tenho algo que julgo que se adapte a si mas vamos experimentar antes. Eu vou dar-lhe duas (enquanto pega em amostras do creme) e vamos ver como reage. Duas poderão não ser suficientes, eu olhando para si diria que precisaria de pelo menos três, mas não tenho mesmo mais nenhuma para lhe dar. Experimenta e logo vê como a pele reage."

 

Lembrem-se que isto foi ouvido por uma mente conspurcada cuja imaginação a levou para outros campos.

Saio da loja a babar pelo homem, com as duas amostras na mão e outras duas no pensamento...

 

Eu: Tu viste bem aquele homem?

Mãe: Vi, era bonito.

Eu: Achas que é gay? Eu fiquei na dúvida.

Mãe: Hum... Deve ser.

Eu: Vou acreditar que não é! Ai, tu ouviste quando ele disse que me ia dar duas?!

Mãe: Mas olha que não deve ser duas das que tu querias. Ele para mim é gay.

 

E é isto! Pele seca e sonhos destruídos.