Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

saracasticamente

Like a boss!

Não gosto que me enrolem. Facilmente percebo se um tipo que me aborda é ou não comprometido. E se pergunto directamente se é ou não espero uma resposta honesta.

Espero... Mas claro que não a vou ter!

 

Foi o caso de um dos cromos que se meteu comigo. Já vos disse que só atraio merda, não já?!

Desconfiei que o gajo tinha uma relação devido às interacções no Facebook com uma gaja. Quando questionado disse que só andava a dar umas voltas com ela, nada sério. Contudo, os comentários dela e as fotos que ela postava mostravam o contrário. Quando questionado sobre isso a resposta dele foi que é um gajo solteiro, que não tem de dar satisfações a ninguém e por isso não se importa que ela publique tais coisas.

 

Ora a Sara não é parva (e por essa razão vai morrer solteira) e continuou a investigação. Num belo dia ele partilha uma foto que ela também tinha partilhado, minutos antes no perfil dela, e surge a seguinte conversa:

 

20170726_191208.png

Viram ali o comentário da Sara?! 

Tiveram sorte, só o viram porque eu tirei um print! O comentário desapareceu misteriosamente...

Segundo o autor da publicação ele é um tipo discreto e aquele comentário poderia induzir outras coisas.

 

A minha pergunta é: as gajas são mesmo parvas e engolem estas merdas ou fazem-se de parvas só para ter um gajo? 

 

Vibradores com receita médica

Tal como vos contei no post anterior, fui mentalmente encaminhada na farmácia para a secção de badalhoquices e ordinarices.

 

Entre preservativos e lubrificantes encontrei anéis vibratórios e vibradores.

A sério? A sério que vendem vibradores na farmácia?

 

Será que o Estado comparticipa caso tenhamos receita médica? Solteirice crónica será considerada doença?

É que estou mesmo a pensar ir ao meu médico de família e explicar que é provável que vá morrer solteira para ver se ele passa uma receita...

Também vão morrer solteiros? Descubram neste post!

Imaginem a seguinte situação (puramente hipotética, claro está): estão chateados com a vossa cara metade porque o ser humano fez merda.

Ele sugere estarem juntos argumentando que no dia seguinte parte em viagem durante uma semana.

 

Que respondem? 

 

a) Por favor meu amor não vás embora, não consigo viver sem ti.

b) Encontramos-nos mais logo, quero estar contigo antes de ires.

c) Boa viagem.

 

 

 

 

 

 

A fidelidade nas não relações

Em tempos tive uma paixoneta por um Coiso que não chegou a ser Coiso. Eu até gostava do rapazito, vá-se lá perceber porquê, mas ele não me achava a mesma piada. Estava no direito dele, toda a gente tem direito a ter mau gosto!

 

Mas eu, armada em gaja cujos gajos não resistem aos seus encantos, decidi conquistar o gajo.

Tive sucesso? Não.

 

Eu convidava o rapazito para sair mas ele tinha sempre muitas coisas para fazer (muitas coisas do tipo nada), enviava mensagens e quando ele respondia demorava tempo suficiente para que eu tivesse de ler a mensagem que enviei para perceber a resposta dele. E de cada vez que falávamos frases como "não quero uma relação", "não fui feito para ter relações", "gosto da minha vida, de estar no meu canto, com os meus amigos, antes dos 40 não vejo necessidade de ter alguém", "não és minha namorada", "não há nada como ser solteiro, as pessoas é que insistem em serem infelizes", entre outras, eram proferidas.

 

O que é que eu fiz? O que me pareceu mais adequado na altura: deixei de ser trouxa. Deixei de ligar, de mandar mensagens e segui com a minha vidinha.

Três dias depois, qual Cristo ressuscitado, o Coiso redescobre o meu número de telemóvel e manda mensagem. Uma mensagem querida e fofa? Não, nada disso. Uma mensagem a insultar-me do piorio acusando-me de falar com outros homens. Pelos vistos uma mulher descomprometida já não pode engatar gajos...

 

E como é que eu não sabia disto? Porque é que ninguém me disse que uma mulher tem de ser fiel a um homem que não quer estar com ela? É por estas e por outras que eu vou morrer solteira.