Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

saracasticamente

Olá, eu sou a Sara, e sou shopaholic

Sabemos que temos um problema quando os funcionários das lojas do shopping (sim, aquele edifício onde circulam centenas de pessoas por dia) começam a tratar-nos pelo nosso nome.

Sabemos que o nosso problema pode agravar-se quando gostamos de quase tudo o que as marcas publicitam nas suas páginas de Facebook e Instagram...

Às vezes gostava de ser tão esquisita com roupas e acessórios como sou com homens!

Isto poderá ser uma despedida...

Sim, este poderá ser o meu último post.

 

Acreditem que não é por minha vontade que deixarei de escrever aqui.

Contudo, hoje irei enfrentar uma situação pessoal delicada e não sei se irei sobreviver.

 

Hoje vou ao shopping...

Caso eu não consiga sobreviver para vos contar como foi, espero que me relembrem como a gaja corajosa que se enfiou num shopping numa Black Friday.

Ela está quase, quase aí...

A Black Friday aproxima-se e eu, como querida e fofa que sou, gostaria de deixar algumas dicas de poupança para as meninas que se perdem nas compras.

 

Para o vosso orçamento sobreviver à sexta-feira negra (o nome diz tudo), na próxima sexta deverão seguir estas dicas:

 

  • não saiam de casa,
  • não se liguem à internet,
  • não respirem,
  • façam-se de mortas.

 

E tenho a certeza que tudo correrá bem... 

Sem meias medidas

Entrar na Calzedonia é como entrar num labirinto, é fácil perdermos-nos.

Entrei lá com o objectivo de comprar umas meias mas não consegui decidir entre tantas que gostava.

Decidi chamar reforços e fui lá novamente com a minha mãe que costuma ser muito assertiva nestas coisas.

 

Desta vez foi assim:

 

Gosto destas. Também gosto muito dessas. Essas aí também são engraçadas. Olha estas que fora do vulgar.

 

Resultado?

Não vamos falar acerca disso... 

Uma óptima promoção (só que não)

Há umas semanas fui à Springfield e fiquei com uma camisola debaixo de olho para oferecer à minha afilhada emprestada. Já não me bastava a afilhada oficial ainda tinha de arranjar uma emprestada para me dar despesa.

 

A camisola custava 19.99€, mas quando lá voltei 3 dias depois a etiqueta marcava 22.99€. Questionei a funcionária da loja quanto ao aumento de preço e esta esclareceu que a camisola estava mal marcada e que o preço era 19.99€.

É então que reparo na promoção afixada no expositor que indica que cada camisola custa 22.99€ mas se comprar duas estas custarão apenas 40€.

 

À primeira vista parece uma boa promoção, não fosse o facto de cada camisola comprada individualmente custar 19.99€ e não os 22.99€ indicados na etiqueta.

Na verdade não há promoção nenhuma! E se formos picuinhas podemos constatar que não só não há promoção como ainda pagamos mais 2 cêntimos!

Mas isto já é o meu mau feitio a falar...

Vou fazer de conta que fiquei muito ofendida...

Fui à Zara devolver um vestido. Gostei imenso do vestido na loja mas em casa ninguém gostava dele e eu, que sou uma gaja influenciável, fui devolvê-lo.

 

Nunca tinha devolvido uma peça de roupa e achei o processo bastante peculiar. Para além de verificar a etiqueta, o talão e o código de uma etiqueta no interior do vestido, a funcionária virou e revirou o vestido várias vezes, virando-o inclusive do avesso passando o forro a pente fino na direcção da luz. Perguntei se havia algum problema e quando me respondeu que não desabafei que não me sentia tão revistada desde a minha última viagem de avião. É que parece mesmo que a funcionária achou que eu tinha vestido o vestido antes de o devolver.

 

Não apreciei de todo esta política de desconfiança que insinua que as pessoas vestem a roupa antes de a devolver. Eu por acaso até tinha vestido... Mas fica sempre bem, mesmo quando fazemos merda, dar aquele ar de que os outros é que são umas bestas!

É Natal... Mas não abusem da minha paciência!

Este fim de semana eu, e mais uns tantos milhões de pessoas, fui ao shopping fazer compras de Natal. A minha antevisão do projecto de vida que seria estacionar o carro não se concretizou. Parques de estacionamento com sinal verde foram uma realidade nada esperada. A fila da caixa da Primark também não ia até à porta como eu tinha antecipado. Contrariamente a todas as minhas previsões foi uma noite tranquila de compras.

O que eu não adivinharia é que o problema seria sair do lugar de estacionamento. Uma qualquer abécula decidiu estacionar o carro atrás do meu, naquele que seria local de passagem e não de estacionamento. Tirar o meu carro do estacionamento foi o desafio do fim de semana. Entrar novamente no shopping, dirigir-me ao balcão de atendimento ao cliente e reportar a situação, ouvir a cantilena "pede-se à besta proprietária do veículo... que se dirija junto do mesmo" e esperar que a besta se digne a chegar lá, seria permanecer, pelo menos, mais meia hora no shopping. Decidi então tirar o carro com ajuda dos sensores de estacionamento, que nunca tocaram tanto em toda a sua existência, e do meu irmão que  estava comigo. Anda, podes, mais um bocadinho, está bom, agora para o outro lado, calma, chega mais um bocadinho à frente, chega atrás... Foram 5 minutos disto.

Já com o carro tirado desabafo:

- Vou perguntar a esta besta se é só estúpido no Natal ou se também é assim no resto do ano - digo eu enquanto preparo uma caneta e um papel.

- Vais deixar um bilhete?

- Vou.

- A dizer o quê?

- A perguntar se é uma besta só no Natal ou se é assim o ano todo!

- Vais mesmo escrever isso? 

 

Claro que escrevi mesmo isso! E ainda acrescentei que fazia votos de um 2016 com mais respeito pelos outros.