Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

saracasticamente

Promovida a madrasta

Tenho o privilégio de poder torturar profissionalmente putos. Muitas são as vezes em que me questiono como é que os pais deixam os filhos ao meu cuidado, mas se os deixam com um tablet com acesso à internet faz sentido que também os deixem comigo.

 

Há uns tempos um dos meus miúdos, com 6 anos, pergunta-me durante uma consulta:

 

- Oh Sara, gostas de carecas?

- Gosto, nunca me fizeram mal nenhum. - respondi-lhe eu.

- Ainda bem! Vais gostar do meu pai, ele é careca e precisa de uma namorada.

 

Acho que o puto não percebeu bem as implicações disto... Se ele tivesse percebido que eu passaria a ser madrasta dele acredito que esta conversa não teria acontecido! 

Regresso às (aulas) redes sociais

Esta semana começaram as aulas. Terá sido difícil que não tenham reparado nisso...

Pelo menos as minhas redes sociais encheram-se de fotos de crianças. Eu não aprecio lá muito a canalha, mas para os pedófilos foi um dia muito feliz... Era só ir ao feed de notícias e lá estavam elas! Criancinhas todas bonitinhas e arranjadinhas com as suas mochilinhas prontas para irem para a escolinha. Prontas para a escola ou para a foto... No meu tempo, que não havia telemóveis nem redes socais, mandavam-nos para a escola de fato de treino. Mas isto sou só eu a tirar ilações...

 

As fotos eram ainda acompanhadas de um belo e emotivo texto evidenciando o orgulho que os papás têm nas suas crias por estas irem para a escola. Pergunto-me eu: elas têm outra opção? Ah e tal porque o meu filho está crescido e vai para a escola. Mas não é o que era suposto acontecer? O que dizem ser orgulho não será felicidade por despacharem as crianças para a escola o dia todo e como bónus ainda terem a possibilidade de culpar os professores pelo comportamento delas? Não será isso?

 

A minha geração não teve nenhum deste mediatismo. Os nossos pais não se orgulhavam de nós pelo simples facto de irmos para a escola e muito menos o publicitavam. Ou nós éramos umas abéculas ou então fomos uma geração muito mal amada! 

 

Já nestas crianças tenho muita fé... Estas crianças são verdadeiramente brilhantes... Estou ansiosa que se tornem adultos... (E coloquem muitas reticências nesta última frase)

 

 

Sobre o dia dos filhos

Ontem foi o dia dos filhos e eu fiquei atenta às notificações do Facebook à espera de uma declaração de amor dos meus pais. Não aconteceu...

 

Não sei como vou conseguir ultrapassar isto... Julgo que um depósito na minha conta fosse capaz de ajudar... Vou dar-lhes essa sugestão, talvez até diga que vá usar o dinheiro para a terapia.

 

Toda a gente sabe que se os pais não elogiam os filhos no Facebook é porque não gostam deles... A história da terapia é perfeitamente plausível! 

Prova de mau feitio

Sabemos que temos mau feitio quando já crescidinhos, com mais de 30 anos, vamos a um jantar e pelo caminho a nossa mãe nos dá indicações de como nos devemos comportar.

 

Se as pessoas te cumprimentarem cumprimenta-as e mostra-lhes boa cara. Sê simpática.

 

Como dá para perceber isto é mesmo mau feitio e não falta de educação. Os meus pais coitados deram o seu melhor...

Fui ao fundo, ao fundo do baú

Ontem o meu pai fez anos e a propósito disso fomos ao baú das recordações.

 

Foram várias as vezes que eu, enquanto controlava a urina, exclamei "oh pai deixa-me pôr esta foto no blogue!".

Escolher só uma foi difícil, mas não podia publicar todas sob pena de ser deserdada.

Vou arriscar tudo com esta...

 

20161118_004736.jpg

 

É impossível ficar indiferente a tanto estilo!!

E o que mais desejo é poder gozar com ele durante muitos e muitos anos... 

Cada um monta quando quer!

Desde que me lembro que sou eu a responsável pelas decorações de Natal cá em casa. Mesmo quando passei a ter a minha casa continuei a fazer as decorações em casa dos meus pais.

Sendo eu uma parola natalícia assumida, só não decoro a casa em Outubro porque ainda faz calor e Natal não combina com calor.

 

Contudo, a minha mãe não alinha nisto da decoração antecipada.

E foi neste contexto que surgiu a conversa que se segue:

 

Eu: Oh mãe já posso montar o pinheiro?

Mãe: Ainda não, ainda é cedo. Queres montar monta na tua casa, aqui ainda é cedo para montares.

 

E vocês? Quando é que costumam montar (a árvore de Natal)? 

O monstro continua a alimentar-se

Como já vos disse neste post o meu pai tem dificuldade em compreender que eu como muito e várias vezes.

 

Partilho mais uma situação que comprova isso: 

 

Eu: Amanhã não almoço, vou ao brunch.

Pai: Onde é isso?

Eu: O brunch é uma junção do pequeno-almoço com o almoço.

Pai: Então e logo jantas?

Eu: Aquilo é um almoço... Janto na mesma.

Pai: Mas como é assim uma coisa mais reforçada pensei que não jantasses.

 

Definitivamente para o meu pai não há necessidade de comer mais do que uma vez por dia! 

Quem sai aos seus...

Está oficialmente aberta a época da botija de água quente.

E desengane-se quem acha que eu uso a botija apenas para me aquecer os pés na cama, por vezes esta acompanha-me ao longo do dia.

 

A propósito disso, esta semana estavam a gozar comigo cá em casa porque eu estava a trabalhar com a botija por baixo dos pés. Não percebo o motivo do gozo, é uma ideia excelente, não só permite que chegue com os pés ao chão como ainda os aquece!

Ora quando questionada sobre o facto de aquecer duas a três botijas de água quente por dia deu-se o seguinte diálogo:

 

Eu: É a melhor amiga das mulheres solteiras, toda a mulher solteira devia ter uma.

Pai: E uma botija?!

 

Cada vez que questionarem a minha sanidade mental lembrem-se que sou filha do meu pai...