Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

saracasticamente

Vamos a votos!

Já partilhei convosco que os balneários das piscinas municipais da minha terra são uma fonte inesgotável de conhecimento.

 

Há dias assisti à seguinte conversa:

 

 - A minha filha hoje não vai jantar lá em casa, vai jantar fora porque faz 4 anos de namoro. - disse uma das senhoras enquanto vestia umas cuecas maiores que os calções das adolescentes.

- Então mas a sua filha já não casou? - pergunta outra.

- Casou, casou em Julho, mas hoje faz 4 anos que namora.

 

Ok...

Hipótese 1: a rapariga precisava desesperadamente de uma desculpa para jantar fora.

Hipótese 2: foi a melhor desculpa que a moçoila encontrou para se livrar da mãe nessa noite.

Hipótese 3: o casamento é uma merda e ela continua a comemorar o aniversário de namoro já que não terá muitos aniversários de casamento.

 

Está aberta a votação!

E por favor, não me digam que sou a única insensível que acha parvo comemorar aniversários de namoro quando se é casado...

A teoria da lobotomia ganha força

Já vos falei neste post da importância de sermos sujeitos a uma lobotomia caso queiramos estar numa relação com alguém.

Hoje venho reforçar a minha teoria. 

 

Entro eu no carro do moçoilo que inspirou o post inicial e deparo-me com uma embalagem de Dodots (passo a publicidade) em uma das portas traseiras:

 

 - Porquê que tens Dodots no carro se não tens filhos?! - pergunto eu com aquele tom de quem está a fazer uma pergunta que já sabe a resposta.

- Oh pá! Não te escapa nada, tu és mesmo perigosa! - responde ele exibindo um sorriso orgulhoso.

 

Eu sou inteligente ou a mulher dele é que anda com uma máscara de dormir? As ditas máscaras estão muito na moda, nada contra, eu tenho uma super cute. Só que só a uso mesmo para dormir...

Date de Natal

Amanhã tenho o jantar de Natal da piscina (raios partam tantos jantares de Natal).

Um dos meus professores informou-me que o meu nome está na lista de presenças para o jantar. Foi assim que eu soube que ia ao jantar...

 

Expliquei que não sei se posso ir e, mais importante, não sei se quero ir.

Não sendo eu muito fã de pessoas os convívios não fazem o meu género. Ok, há comida, é um facto, mas ainda por cima é de um restaurante que não gosto (sim, não sou apenas esquisita com os homens) o que não ajuda.

 

- Não sei se me apetece gastar dinheiro para jantar com pessoas que não conheço. - disse eu. 

- Conheces-me a mim. Sentas-te ao meu lado e o resto não importa.

- Mas ficamos numa mesa à parte? Assim tipo date?

- Sim, já que não podemos ter um date sozinhos...

 

E perguntam vocês, e muito bem, porque não podemos ter um date sozinhos. Porque ele tem mulher em casa... 

 

E sempre que estou perante um destes casos, em que o homem tem comida caseirinha mas gosta de comer fora, eu dou graças. Dou muitas graças por ser solteira. Porque neste Natal os únicos cornos que terei na cabeça serão os de rena...

 

 

Uma desgraça nunca vem só

Então Sara, hoje já te sentes em condições de escrever no blog? Não!

Hoje vi um homem morto à minha frente, daí que também não seja um bom dia. Mas se sempre que acontecer alguma desgraça à minha volta eu não escrever vocês nunca mais terão notícias minhas, por isso estou a tentar abstrair-me da imagem que tenho na minha cabeça para vos fazer este post.

 

Depois de ver um homem morto, deitado no chão, com sangue a escorrer pela cabeça nada melhor do que chegar a casa e ver junk tv. O programa eleito: Casados à Primeira Vista, só podia ser. Só mesmo um programa onde as pessoas discutem os seus problemas conjugais perante milhões de pessoas é que me poderia distrair de outra desgraça.

 

Enrosco-me numa manta e inicio a maratona. Sim, eu vejo os episódios a posteriori porque assim posso avançar as partes em que a cota se queixa que o marido não lhe dá assistência técnica e, parecendo que não, isso é logo metade do programa.

 

Num dos episódios, o Daniel cuja mulher não o deixa calçar os saltos altos dela (há mulheres que realmente... são cá umas tinhosinhas... já um homem não pode usar sapatos de mulher que elas se passam logo...) teve um almoço com o José Luís (o tal que assiste muita televisão mas não assiste a mulher) enquanto as mulheres deles desfrutavam de um almoço de gajas, ou seja, um almoço onde se fala mal de gajos.

 

O almoço dos homens começou com o Daniel a mostrar o pénis ao Zé Luís. Calma! Era um pénis de louça, típico da terra dele, mas ele tinha de começar por algum lado...

 

E enquanto a mulher do cota se queixava à amiga que o único sexo que teve foi na noite de núpcias o seu marido oferecia marmelada ao outro. Estão a ver a ironia disto, ou sou só eu?

 

O Daniel aproveitou ainda o almoço a dois para confidenciar "nunca pensei comer da tua marmelada Zé Luís".

Pois a mim pareceu-me que ele está mais para comer a marmelada do Zé Luís do que a da mulher...

 

Por estas, e por outras, quando cheguei ao último episódio a minha actividade neuronal estaria bem próxima da do senhor que tinha falecido... 

 

 

 

Mais que um post: um pedido de ajuda

Tenho dificuldades de relacionamento interpessoal. Digo o que quero, o que penso, o que sinto e isso geralmente não é bem visto pelos outros.

Tenho feito um esforço para ser mais comedida, pelo menos naquelas situações que não valem mesmo a pena. Contudo, parece que o meu esforço em ser melhor pessoa é inversamente proporcional ao esforço que as pessoas fazem para não serem umas bestas.

 

Deixo-vos um exemplo de uma troca de mensagens com um gajo:

 

Dia 1

 

Eu: 12.22  - Envio uma ligação

 

(Ainda não tiveste tempo para ver isso? Pediste-me para ver essa merda, perdi o meu tempo e tu nem te dás ao trabalho de abrir o link?) - foi o que eu pensei, mas não disse. 

 

Eu: 22.54 - Já viste?

 

Dia 2

 

Ele: 09.51 - Não xuxu. Vou ver.

 

(Estás a gozar com a minha cara?? Como é que ainda não tiveste tempo para ver isso? Se não querias não me pedias.) - foi o que eu pensei, mas não disse.

 

Dia 3

 

Ele: 10.56 - Ursa? (Ursa é um termo "carinhoso" usado entre nós e não um insulto)

 

(Aqui já não tive mesmo vontade de dizer o que quer que fosse.)

 

Ele: 16.28 - Ui, não me respondes?

Eu: 17.09 - Diz...

Ele: Que foi? Estás chateada?

Eu: Não. Diz.

Ele: Ok. Não digo. Essa postura para mim não.

Eu: Então se não queres dizer nada mandaste mensagem para quê?!

Ele: Mas f**** que resposta seca é essa? Diz? Estás a fazer-me algum favor? Frete?

Eu: Eu trato como me tratam. Se estou seca molha  

Ele: Eu estou a tratar por frete?

Eu: Só tu saberás responder a essa questão...

Ele: Oh Sara poupa-me estas merdas.

Eu: Isso digo-te eu a ti!! Tu é que te vieste queixar que estou seca 

Ele: Ok.

Eu: Não queres falar não fales, agora o drama do ia dizer mas com essa postura já não digo é dispensável.

 

E nunca mais soube nada dele...

Eu esforcei-me, vocês viram que eu me esforcei... Mas afinal o que é que suposto dizer quando alguém nos ignora e ainda nos trata com arrogância por não o bajularmos depois do desprezo que nos deu? 

 

"Olá amor da minha vida, meu raio de sol, minha razão de viver. Cada dia longe de ti é um dia desperdiçado, só contigo a minha vida faz sentido. A que se deve a honra de receber uma mensagem tua? Saber que gastaste alguns segundos do teu precioso tempo para me enviar uma mensagem faz-me sentir verdadeiramente especial. Peço desculpa se não deixei tudo o que estava a fazer para te responder logo, imediatamente, naquele preciso momento em que a enviaste, peço mil desculpas por isso. Eu sei que não mereço o privilégio de te ter na minha vida, mas por favor continua a tratar-me com esse desprezo com o qual já não sei viver. Perdoa-me por ser humana, por ter uma vida e sentimentos. Gosto mais de ti do que de mim própria. Para sempre tua."

 

É isto? É isto que é suposto responder? Se for digam-me que eu gravo já nas mensagens pré-definidas e assim é fácil, sempre que alguém cagar em mim eu envio a mensagem e fica tudo resolvido. Se não for deixem-me sugestões.

Preciso mesmo da vossa ajuda...

 

 

 

Critérios de escolha de marido

Estão duas encalhadas de férias a contemplar num restaurante dois casais.

 

A: Isto é uma coisa que nunca vamos poder fazer.

Eu: Pois não.

A: Sabes do que estou a falar? 

Eu: Sei, claro, das gajas que estão aí na mesa ao lado com os namorados. Mas querias estar aqui com o Choninhas? 

A: Pois, se calhar até não queria... E tu preferias trazer o H. ou o R.?

Eu: O H. porque o R. come muito.

A: Mas o R. não é mais fixe?

Eu: É, eu divirto-me muito mais com ele. Mas tu já viste o que ele come? Nós dividíamos uma dose, ele comia duas doses sozinho e no final a conta era a dividir por todos. Não, não dava.

 

Quando dou por mim até critérios alimentares estão envolvidos na escolha de marido... Vou morrer tão solteira... 

 

 

 

 

 

 

 

Quando as mulheres não compreendem os maridos

Quando assisti ao primeiro episódio do Casados à Primeira Vista não imaginava que me identificaria tanto com alguns concorrentes.

 

Na última semana, um dos concorrentes pediu à mulher para calçar os saltos altos dela. A cara que ela fez deve ter sido a mesma que eu fiz quando o meu Ex-coiso me apareceu lá em casa de leggings. Felizmente, ou infelizmente, não havia câmaras para filmar.

Adiante... Ela rejeitou o pedido e ele amuou. A relação esfriou e ela queixa-se que ele não a deixa conhecer.  

 

Daniela, amiga (permite-me que te trate assim porque estamos juntas), ele está a dar a conhecer-se. Ele já te disse que quer usar saltos altos, já disse que gostava de fazer coisas novas e fugir das rotinas. De que precisas mais mulher?! Aproveita que está a chegar o Natal, oferece-lhe um strap-on e vais ver como ele até mexe o lábio superior! 

Insensível procura marido

Qual é a segunda coisa que as mulheres mais gostam de fazer quando estão na casa de um homem? Ver vídeos no YouTube.

A primeira é vê-los a jogar computador. Antes que perguntem, sim, eu saí com um gajo que me levava a casa dele e jogava computador enquanto eu lá estava! Mas não se limitava só a jogar, ele explicava e comentava o jogo. Alguém lhe terá dito que ele devia integrar as mulheres na vida dele e ele achou que seria mostrando como se safa na consola. E só para esclarecer falamos da consola de jogos...

 

Um dia, depois de todas as vidas perdidas no jogo (já para não falar da minha) mostrou-me vídeos no YouTube. Porno? Perguntam vocês, seus inocentes. Claro que não! Actuações do Got Talent.

 

A dada altura ele questiona a minha insensibilidade por eu não chorar durante as actuações que estávamos a visualizar. Eu pedi desculpa por ter nascido, prometi que não voltaria a acontecer, mas ele insistiu que não percebia porque eu era tão insensível uma vez que até ele próprio chorava com essas coisas.

 

Nesse momento descobri mais uma razão para estar solteira. E não, não é porque não choro a ver pessoas a cantar, é porque saio com gajos que choram por ver pessoas a cantar. 

Pacto de casamento

Todos os solteirões já fizeram, em algum momento da sua vida, um pacto de casamento com outro solteirão. Algo do género "se até aos 40 estivermos solteiros casamos um com outro".

Eu não sou excepção, mas pela primeira vez fi-lo com um gajo heterossexual! O que significa que há uma réstia de esperança de não acabar os meus dias sozinha com 3 gatos (embora quando olho para algumas pessoas me dê vontade de viver com a roupa coberta de pêlo dos felinos).

 

Há dias estava o segundo outorgante deste acordo a dizer-me que tinha de começar a levar os treinos no ginásio mais a sério para ficar gostoso.

 

- Estás parvo?! - perguntei-lhe eu - Se tu ficares todo gostoso vais certamente arranjar alguém que te queira antes de chegares aos 40 e eu vou ficar sem marido.

- Oh! Se eu estiver gordo nessa altura também não me vais querer.

- Achas mesmo?! Eu vou gostar de ti de qualquer maneira...

- A sério?!

- Sim. Nessa altura vou estar desesperada, qualquer coisa serve!

 

Acho que é por este tipo de respostas que os meus amigos dizem que estou solteira...

Antes que perguntem: não participei no Casados à Primeira Vista

Quando se é encalhada solteira facilmente se é alvo de piadas completamente inofensivas para a auto-estima (caso já não tenhamos nenhuma).

E se ser encalhada solteira (engano-me sempre) por si só já é alvo de chacota, o programa Casados à Primeira Vista veio dar uma ajudinha:

 

- "Então, não te inscreveste no programa?"

- "Vens só tu ou até lá a SIC arranja-te marido?"

- "Nem ali arranjaram marido para ti?"

...... and so on ......

 

Digamos que se eu ganhasse 10€ por cada observação destas já estaria a fazer as malas para Nova Iorque, e aposto que com as piadas que fariam sobre essa viagem ser a lua-de-mel do programa ainda conseguiria dinheiro para os souvenirs.

 

Meus amigos, para que fique claro eu não participei no programa.

E porque não? Primeiro, porque apesar das facadas que essas perguntas parvas me dão na auto-estima eu ainda tenho algum amor próprio.

Segundo, porque tenho a certeza que sairia de lá com um marido. Sim, não tenho dúvidas disso. Após traçarem o meu perfil de personalidade, analisarem o que procuro em termos físicos e comportamentais, bem como as minhas expectativas relacionais seguramente o painel de especialistas encontraria o par perfeito para mim. E esse par seria certamente gay!

 

Por isso não, não participei.

Fiquem descansados que quando eu estiver desesperada eu aviso.