Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

saracasticamente

Quando o ex manda mensagem - parte 3

E porque não há duas sem três, eis a terceira parte da mensagem obra literária que o gajo escreveu:

 

Mas porque tem sempre de exirtir dor no amor, porque ficamos com receios, medo? Não entendia porque nos fimes e todos os livros que via e lia de amor nunca eram histórias constantes de amor, havia sempre esses caminhos tortuosos a percorrer, toda uma montanha russa num caminho que entendia ser só de felicidade. Nunca entendi a dor no amor,agora entendo, fui um privilegiado por viver esse nobre sentimento e agradeço te por isso.

 

Ora, é o que dá ver muita televisão... Por estas e por outras é que a SIC acabou com os filmes ao domingo à tarde. Que adianta ver filmes e ler livros se não se entende? Acho que o problema é ele ler em português, ao que parece o espanhol é uma língua que ele domina muito melhor...

Quanto à ultima frase, ou é de mim ou ele agradeceu-me por termos tido uma relação de merda?

 

veio a razão quis te esquecer, deixar te atrás na minha história, arrumar te num qualquer canto da minha vida, mas porque raio não consigo? Porque mexes tu tanto comigo?

 

Veio a razão? Eu ia jurar que a gaja se chama Vanessa... Deve estar a falar de outra que meteu na cama antes dessa, é difícil acompanhar a vida sexual de um gajo com excesso de ego...

Quanto à questão da arrumação, é de estranhar que ele esteja com esta dificuldade. Quando namoravámos ele nunca teve problemas em arrumar-me a um canto... Alguém que lhe diga que o IKEA tem óptimas soluções a preços acessíveis. Há duas lojas em Barcelona, não há razão para ele não saber disto. 

 

Porque só os momentos que vivo contigo me invadem a mente e as recordações de ti, dos teus beijos me surgem do nada? Porque sinto tanta falta das tuas mensagens? Das tuas palavras? Do teu "porque efectivamente"?

 

Com a primeira frase o que ele quer mesmo dizer é que a gaja não é lá grande coisa na cama. Mas, qual Saramago, ele arranjou forma de adornar a coisa.

Mas acreedito que ele sinta a falta das minhas mensagens, certamente ele sente falta de as ignorar para poder alimentar ainda mais o ego, o pobrezinho deve andar desnutrido. E também acredito que ele sinta falta de me ouvir dizer efectivamente, até porque até me conhecer ele nunca tinha estado com uma mulher que conseguisse dizer uma palavra que tivesse mais do que cinco silabas.

 

E como é que a mensagem termina? Terão de esperar até segunda!

Não se apoquentem que o fim-de-semana passa a correr...

Quando o ex manda mensagem - parte 2

Gostaram do post de ontem? Espero que sim porque hoje tem continuação.

Apertem os cintos...

 

...mal eu sabia tudo o que me ias fazer, o que ias fazer com o meu coração, que o ias trazer de volta e fazer com que ele batesse de novo com tanta intensidade como um adolescente a descobrir o amor pela primeira vez...e sabes, foi isso que estava acontecer, estava a descobrir o amor pela primeira vez, nunca em toda a minha vida o meu coração tinha experimentado tanta intensidade como quando descobriu o teu coração, te ia descobrindo a ti...

 

Bom, aqui há que dar algum mérito ao rapaz. Ele finalmente fez referência à sua idade cronológica, há que valorizar as pequenas vitórias.

Quanto a isso do coração bater com muita intensidade não é amor, pode ser hipertensão, anemia... o melhor mesmo é ser visto por um médico, nunca devemos confiar nos diagnósticos do google.

 

...mas não entendia o porque sempre desta relação ódio/amor que tínhamos, porquê de tudo ser tão complicado, o porque de tu tornares tudo tão difícil para mim e eu para ti, porque não fomos capazes de ir sempre pelo caminho mais simples e a direito...porque? 

 

Eu? Eu tornei as coisas difíceis? Ia jurar que tinham sido os amigos, o ginásio, os amigos do ginásio, o trabalho, os colegas do trabalho, os treinos de futsal, os jogos de futsal, os jogos do Porto, as outras gajas... Mas afinal fui eu... Vou só ali chicotear-me um bocadinho antes de continuar...

 

Descobri que te amava quando fomos aquele hotel em Bragança, no momento em que estavas na cama, sem base e pinturas, so tu, teus óculos e um livro...imagem que me fascinou...e logo ali percebi que era amor, tudo simples...eu, tu na forma mais simples que alguém podia estar, podia ser uma tenda de campismo, num qualquer quarto de bairro social da cidade que aquele momento teria sempre o mesmo impacto em mim...só tinhas de ser tu ali.

 

Ora gasta uma pessoa uma fortuna em maquilhagem para depois ler uma coisa destas... Será a minha base YSL que me está a impedir de encontrar o amor? 

E desculpem lá a minha falta de humildade, mas vou aproveitar esta deixa para me vangloriar um bocadinho. Vocês alguma vez receberam uma declaração de "amor" que continha as palavras bairro social? Receberam? Não?! Quem arranja homens românticos, quem é?! Sintam a inveja...  

 

Se acham que isto já acabou estão muito longe da verdade. Se ainda não estiverem enfadados voltem que amanhã há mais. 

Quando o ex manda mensagem - parte 1

Como eu vos disse ontem, o meu ex mandou mensagem. A parte boa disto é que fiquei a saber que a rede wireless funciona bem no inferno o que me dá mais segurança para ser má pessoa. Se ele me ofereceu uma jóia no Natal e 3 dias viajou para passar a passagem de ano com outra e tem wifi eu posso perfeitamente enxovalhá-lo e ainda assim ter um lugar no inferno junto ao router.  

 

Vai daí decidi partilhar a mensagem convosco. Porquê? Porque eu não tenho de sofrer sozinha. E como parte do sofrimento vou transcrever a mensagem, por isso vão levar com os erros ortográficos e de pontuação como eu levei. Mas vou ser querida e fofa convosco e dividir a mensagem em partes e quero ver quem são os resistentes que vão aguentar até ao final...

 

Vamos então começar:

 

Fodasse Sara, fodasse para ti que não me sais do coração... escrevo te não para criticar( pelo menos vou tentar) mas para falar apenas de mim, como o desabafo que nunca consegui ter contigo ou com outro alguém (  e preciso tanto de o ter, não ficaria bem comigo mesmo) 

 

Começamos bem, com um cumprimento afável e cordial. Li as primeiras duas palavras e o meu pensamento imediato foi "o que é que eu fiz??". Parecendo que não isto aguça a curiosidade do leitor pelo que vem a seguir o que é uma óptima estratégia de promoção da leitura. 

Depois de ler que não escrevia para me criticar respirei de alívio, mas só por momentos. Ele nunca cumpre porra de promessa nenhuma...

A minha parte preferida, deste primeiro parágrafo, é quando ele diz que escreve para falar dele. Mas ele pensa em mais alguém?! Claro que vai falar dele! 

 

medo de mim, medo de ti e tudo o que tu trouxeste à minha vida...aguentei até ao limite esta luta da razão vs sentimento...sempre me guiou a minha cabeça, já tinha desligado o coração do resto do meu corpo há imenso tempo, tanto tempo que não me lembrava mais que ele existia em mim, sempre frio, calculista, pesar tudo com enorme frieza até tu chegares e entrares na minha vida...

 

Não sei se repararam mas a segunda frase não faz ligação com a primeira. Se era para copiar e colar frases bonitas que ele lê na internet pelo menos que o fizesse em condições... 

Notas importantes antes de avançar: quando ele diz que sempre se guiou pela cabeça não se refere à que tem neurónios (if you know what i mean) e ele não tem coração, nunca teve, nem antes nem depois da minha existência, eu própria confirmei. Agora que estamos esclarecidos quanto a isto vamos continuar.

 

 

ainda antes de te conhecer pessoalmente já te admirava, já mexias comigo, ler tudo o que escrevias, tua forma de ser...foste a pessoa que mais me cativou sem ser apenas pelo aspecto físico, admirava tua escrita e a forma como me fazias rir sozinho ...

 

Ok. Esta parte só comprova que ele só conhece pessoas desinteressantes. E quando ele fala em rir-se sozinho não era com a minha escrita. Parece que vem no seguimento, mas não. Ele ria-se sozinho, às minhas custas, quando passava dias sem dizer nada porque "estava sem o telemóvel" enquanto publicava fotos no insta e respondia aos comentários das outras gajas...

 

Gostaram da introdução? Sim, isto é só a introdução... 

Amanhã há mais...

 

O blog desgraçou-me a vida

O título parece dramático, mas vocês já vão perceber.

 

Já conhecia o meu ex, contudo foi através do blog que nos aproximamos. Ele lia o blog, comentava, trocávamos ideias, até que passamos a trocar também fluídos corporais.

Eu apaixonei-me por ele (só me apaixono pelo que não presta) e disse-lhe o que sentia. Ele disse que não sentia o mesmo e que não queria uma relação. Segui com a minha vida.

 

Uma noite estava com uma amiga, que conheci através do blog, e no momento em que ela me perguntava pelo espécime recebi uma mensagem dele. Afinal gostava de mim e queria namorar comigo, só estava com medo (eu devo ser mesmo assustadora). Eu fui na conversa e tivemos uma bela merda de uma história de amor.

 

Terminamos, seguimos as nossas vidas e eu já quase que não me lembrava que ele existia. Até que fui lanchar com uma amiga que também conheci através do blog. Ela pergunta pela minha vida amorosa (como se ela existisse) e eu inevitavelmente tive de me lembrar e falar do ser humano. Cerca de uma hora depois ele envia mensagem. 

 

Isto parece-me um claro sinal que não devo socializar com pessoal da blogosfera... Ou com pessoal no geral... 

A independência dos Açores

A televisão portuguesa apostou tudo no amor e já não há desculpas para os solteiros deste país continuarem solteiros. A não ser pelo facto das pessoas serem completamente desinteressantes... Mas isso são pormenores!

 

No First Dates, da última sexta, uma concorrente explica ao seu date que já esteve em três países: Itália, Madrid e Açores. Ele até foi fofo e deu-lhe uma oportunidade de pensar melhor na palermice que tinha acabado de dizer e perguntou: "3 países?! Mas isso só são 2!". Ela não só não agarrou a bóia salva-vidas como ainda se afundou mais e repetiu a lista de países, mas desta vez usando os dedos para acompanhar a contagem como se o gajo fosse muito burro e não soubesse contar até três.

O gajo a esta altura do campeonato já deveria ter percebido que aquele não era um bom exemplar para reprodução, mas continuou: "então são dois! Açores é Portugal, é o nosso país." Ela mostra um ar de choque. Não sei se foi por ter descoberto que Açores é Portugal ou se foi por ter descoberto que Portugal é o nosso país. Eu ainda lhe dei o benefício da dúvida porque quando fui aos Açores, e ouvi os açorianos a falar, também pensei que estivesse noutro país... Mas o benefício acabou quando ela responde "sim, mas fui de avião".

Portanto na cabeça dela quando andamos de avião vamos para outro país.

 

Caso um dia a moçoila resolva aproveitar uma promoção da Ryanair e fazer Porto-Lisboa dá-se a independência do Porto.

Rescaldo de São Valentim

O dia dos namorados é um dia como outro qualquer e vai daí eu fui às compras que é o que eu faço nos dias quaisquer em que tenho dinheiro.

 

Durante o meu passeio pelo shopping passei pela Hussel para comprar umas gomas.

Após encher bem o saquinho das gomas (uma gaja solteira tem de se consolar com alguma coisa) fui para a fila para fazer o pagamento. Sim, havia uma fila de gente que queria adoçar a boca da sua cara-metade. Reparei que eu era a única da fila que não levava nenhum presente. Todos levavam chocolates com corações e eu um saco de gomas.

Por momentos senti-me deslocada, a solteirona num mundo em que é suposto viver a pares. Mas depois reparei que o gajo atrás de mim levava não um, mas dois chocolates. Hum... Tanto amor para dar! E ele estava ansioso por dar todo aquele amor porque olhava impacientemente para a fila e para o telemóvel.

Aí lembrei-me que, além dos solteiros e dos que vivem a pares, há os que vivem em trios. E já não me senti deslocada... 

Um espelho é sempre um bom presente

Se há coisa que me tira do sério (na verdade há muitas, mas não vamos agora enumerar) é enviar uma mensagem a alguém e a pessoa não me responder. Quando é mensagens com conversa da treta ainda é naquela, mas quando é algo importante fico possuída. 

 

Um dos muitos postais que cruzaram a minha vida de vez em quando ignorava as minhas mensagens. Disse-lhe algumas vezes que não gostava disso, ele pedia desculpa, mas voltava a fazer.

 

Um belo dia (por acaso até estava de chuva) passei-me da marmita e, após ele me ter deixado mais uma vez no vácuo, fiz-lhe o mesmo. Ele bem que mandou mensagens para o Messenger, para o telemóvel, ligou... Mas eu deixei-o provar do próprio veneno.

E mesmo percebendo que eu não iria responder ou atender as chamadas ele continuou a enviar mensagens. O conteúdo dessas mensagens é fabuloso. Temos frases como "eu não gosto que me ignorem, não lido bem com isso", "não sei porque me estás a ignorar, mas só para que saibas comportamento gera comportamento", entre outras deste género.

 

É curioso que o moçoilo não goste de ser ignorado, mas goste de ignorar. É curioso que o moçoilo, quando se trata dele, perceba que comportamento gera comportamento, mas não perceba que o comportamento dele também gera comportamentos nos outros. É curioso que ele não perceba que há outras pessoas no planeta para além dele e do ego dele. 

 

O aniversário dele está próximo, estou a pensar abrir tréguas e oferecer-lhe um presente: um espelho. Mas tenho receio que ele ache que o espelho só serve para contar os cabelos brancos que já tem na cabeça...

Até as vacas já têm Tinder

E quando digo vacas refiro-me ao mamífero, caso contrário não seria notícia.

 

No Reino Unido foi lançado um aplicativo chamado Tudder (qualquer semelhança com Tinder é pura coincidência) que permite que vacas e bois encontrem o seu par ideal para reprodução.

Segundo o gajo que se lembrou disto, o aplicativo "procura unir animais de fazenda tímidos com suas almas gémeas".

 

Neste momento, algures no Reino Unido, uma vaca e um boi estão a encontrar o amor enquanto que eu continuo solteira... 

Por uma sociedade onde os homens vistam collants

Circula pelas redes sociais uma nova polémica sobre igualdade de género.

Num teste de inglês os alunos tinham de responder se acessórios como boné, colar, cachecol, mala, gravata, cinto e collants eram para homem, mulher ou ambos.

Um dos moçoilos, para não se chatear muito, decidiu colocar que todos os acessórios podem ser usados por ambos os géneros. A professora assinalou como erradas as respostas gravata, boné e collants. O aluno, como seria de esperar, não concordou com a correcção e expôs a situação na sua página de Facebook.

 

Felizmente no meu tempo de estudante não havia redes sociais. Se cada vez que eu não concordasse com um professor escrevesse uma publicação sobre o assunto teria terminado a escolaridade num reformatório.  

 

Mas voltemos à questão da igualdade de género...

 

Eu cá sou da opinião que os acessórios não têm género.

O meu ex-Coiso, por exemplo, usava collants. Também gostava de homens, é um facto, mas não deixava de ser homem por causa disso...

 

A verdadeira questão, para mim, é alunos do 11° ano estarem a aprender os mesmos conteúdos que os alunos do 6°.

Ah, e tal, são alunos do ensino profissional. E quê? São menos inteligentes que os outros? Isto sim, é uma verdadeira discriminação! E, no entanto, não vejo o puto preocupado com isso... 

Perguntas que não se fazem a uma senhora

Tenho 30 e poucos (pouquíssimos) anos. Fisicamente parece que ainda estou nos 20, mentalmente parece que ainda não saí da adolescência.

 

Devido à minha aparência, uma pergunta que ultimamente tenho ouvido com alguma frequência é se já fiz alguma cirurgia estética. Esta pergunta surge nas mais variadíssimas versões (cada uma melhor que a outra) como tens tudo de origem ou és recauchutada. 

 

Da mesma forma que se instituiu que não se deve perguntar a idade a uma senhora não se deveria também instituir que não se deve perguntar a uma senhora se fez cirurgias plásticas?

Eu juro que da próxima vez que me perguntarem essa merda vou responder que para além da mudança de sexo não fiz mais nenhuma...