Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

saracasticamente

Português para estrangeiros

Durante as minhas últimas férias, em Malta, conheci um português que estava lá a fazer alguma coisa que ele ainda não percebeu muito bem. Algo entre estudar e passar férias, segundo o que ele tentou explicar, suponho eu que seja Erasmus. Mas só mesmo Deus saberá o que ele anda para lá a fazer, eu digo Deus porque nem ele sabe!

 

Durante a curta conversa que eu e a minha companheira de viagem tivemos com ele apresentou-nos um colega belga com quem estava.

- They are portuguese - disse o português ao amigo belga.

- Hi! C*r*lh*! - cumprimentou-nos o belga.

 

Alguns minutos de conversa depois despedimos-nos.

- Bye - disse eu.

- Bye! C*r*lh*! - respondeu o belga.

 

Não sei porquê, mas fiquei com a sensação que alguém lhe terá dito que c*r*lh* é uma forma de cumprimento em português...

Os ex-namorados deviam aprender a mandar mensagens

Percebemos que as nossas expectativas são realmente baixas (pode-se até mesmo dizer que rasas) quando aterramos num aeroporto, após uma viagem de três horas, ligamos o telemóvel, e ao receber a notificação de uma mensagem assumimos automaticamente que seria a Vodafone a informar os tarifários aplicados ao país de destino.

Podia esperar que fosse a família ou os amigos a perguntar como tinha corrido a viagem e a desejar umas boas férias, mas aprendi que não contar com os outros diminui significativamente os meus níveis de desilusão.

 

Ao abrir a mensagem constatei que não era da Vodafone, mas sim do meu ex. Ok.... Se mandou mensagem é porque está vivo...

O que me estava mesmo a preocupar era a ausência da SMS da operadora... Minutos depois lá estava ela: "Vodafone: Os min/sms/mms efectuados são taxados de acordo com o seu tarifário para outras redes nacionais e os recebidos são gratuitos. Nos dados móveis aplicam-se as condições do seu tarifário em Portugal. + info ligue grátis +351911691000. Emergência grátis 112".

 

Isto sim, é uma mensagem como deve ser. É uma mensagem explícita, que demonstra claramente qual a intenção da mesma, que nos faz saber exactamente com o que podemos contar e ainda fornece um número que podemos contactar para obter mais informações sem qualquer tipo de cobrança. Reparem que até um número de emergência é fornecido, o que pode sempre dar jeito.

Isto sim, é uma mensagem! Os ex têm muito a aprender com a Vodafone... 

De volta às voltas da rotina

Voltei.

É uma palavra que custa escrever. Mesmo quando o destino fica aquém das expectativas o regresso é sempre doloroso, desde a nostalgia das últimas horas no país de destino ao vazio de aterrar novamente no país de origem.

 

Viajar inspira-me, preenche-me, faz-me feliz. A cada viagem que faço sinto-me cada vez mais realizada.

 

Esta última foi, sem dúvida, uma inspiração.

Logo nas primeiras horas após ter aterrado uma idosa pediu-me informações. Mal falava inglês, mas por entre as tentativas em expressar-se deixou escapar algo em português. Perguntei se era portuguesa e a comunicação tornou-se mais fácil a partir daí! Ela queria saber onde ficava o apartamento onde ia ficar alojada. Não dominava a língua, pelos vistos o GPS também não, e ainda assim aventurou-se sozinha num país estrangeiro. Tinha tantas desculpas para ficar em casa, sossegadinha, a ver o Preço Certo, e ainda assim optou por viajar.

Dias depois conheci uma outra portuguesa que viajava sozinha, com quem partilhei um táxi (pobre tem de fazer amigos por questões económicas), que tinha vindo da Índia e ia de seguida para a Tunísia. A inveja bateu forte, mas a vontade de um dia fazer algo semelhante também.

 

Estas mulheres não têm noção do quanto me inspiraram. Do quanto reforçaram a minha vontade de conhecer novos lugares e pessoas. Do quanto eu quero ser como elas!

Cada vez mais me identifico com estas pessoas que, sem medos ou desculpas, partem à descoberta do mundo.

 

Há quem tenha nascido para criar raízes e há quem tenha nascido para voar. Eu quero muito ganhar asas...

Boas e más notícias

Tenho boas notícias para mim e más notícias para vocês.

A boa notícia é que vou finalmente de férias, a má é que vocês terão de sobreviver sem mim até ao meu regresso.

 

Eu sei, a vossa vida não será a mesma sem as minhas desgraças para vos animar, mas eu prometo voltar com muitos mais infortúnios para partilhar. Sim, quem acompanha o blog sabe que até as férias me correm mal!  

 

Se quiserem podem acompanhar a viagem através do instagram, se tiverem mais do que fazer do que ver fotos de gajas a laurear a pevide, enquanto vocês estão a trabalhar, amigos na mesma. 

 

Portem-se mal na minha ausência, eu vou ali ser feliz e já volto. 

 

 

Pobre sendo pobre

Pobre quando decide viajar o orçamento é sempre o menor possível. Este facto é meio caminho andado para comprar a viagem na Ryanair. E, é claro, que pobre passa a parte dos custos extra à frente. 

 

Bagagem de porão? Não.

Seguro? Não. 

Embarque prioritário? Não.

Lugar sentado? Não.

Dignidade? Não.

 

Depois de seleccionar negativamente todas as opções é que surgem as questões. Por exemplo, como levar toda a tralha bens essenciais que pretendemos numa mala de cabine de 55x40x20cm?

Mas pobre, habituado a desenrascar-se, resolve facilmente o problema e compra uma mochila (aproveitando o facto de poder levar uma bagagem de mão) para poder levar parte dos seus pertences na mochila. Ou seja, poupa 30€ ao não pagar por uma bagagem maior, mas gasta 30€ numa mochila.  

E é por isso que pobre sempre será pobre...

 

 

 

Adeus, até ao meu regresso!

Já vos disse que vou para Saidia para um hotel 5* em regime TI por 475€?!

Já? Mas acreditem que ainda vão voltar a ler isto mais algumas vezes!  

 

A continuidade do blog, durante os próximos dias, estará sujeita a condições externas à minha pessoa como a existência de wifi no hotel. Mas acreditem que se houver wifi vão ver fotos minhas a meter nojo no Instagram!     

 

Até porque, pode não parecer mas, fazer inveja nas redes sociais ajuda-nos a desfrutar melhor das férias! 

Quem vai de férias?! Quem é?!

Não tinha ainda planeado férias, não tinha sequer pensado muito no assunto.

Até que vi uma promoção fantástica na Abreu para Saidia. Depois de ofuscada pelo preço da viagem reparo que a data de partida é em uma semana.

 

Mas a Sara não vacila!

Corro à agência para fazer a reserva, porém dizem-me que já não há lugares a esse preço.

O problema é que eu já tinha na minha mente que ia a Marrocos por 529€, tal como a promoção anunciava...

 

Obriguei a pobre coitada que me atendeu na loja a fazer dezenas de simulações de datas, hotéis, operadoras, companhias aéreas, sempre pressionada pelas minhas questões e sugestões.

Até que encontrou uma hipótese que a obrigou a simular novamente uma vez que nem ela própria acreditava no preço!

 

Conclusão?!

A Sara vai a Saidia, com tudo incluído, por 475€!! 

 

Nota: este pode parecer um post motivacional, daqueles que vos encoraja a nunca desistir daquilo que querem, mas na verdade é só um post para meter nojo! 

Grata pela vossa compreensão! 

Ser feliz e fit ao mesmo tempo? Sim, é possível!

Sabemos que aproveitamos bem o tempo numa escapadinha europeia quando recebemos uma notificação de que atingimos um novo máximo de passos dados. 

 

Ao que parece isto de viajar não faz de mim apenas mais feliz mas também mais saudável.

Afinal é possível ser fit e saudável ao mesmo tempo! 

 

 

Screenshot_20170402-224930.png