Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

saracasticamente

Uma desgraça nunca vem só

Então Sara, hoje já te sentes em condições de escrever no blog? Não!

Hoje vi um homem morto à minha frente, daí que também não seja um bom dia. Mas se sempre que acontecer alguma desgraça à minha volta eu não escrever vocês nunca mais terão notícias minhas, por isso estou a tentar abstrair-me da imagem que tenho na minha cabeça para vos fazer este post.

 

Depois de ver um homem morto, deitado no chão, com sangue a escorrer pela cabeça nada melhor do que chegar a casa e ver junk tv. O programa eleito: Casados à Primeira Vista, só podia ser. Só mesmo um programa onde as pessoas discutem os seus problemas conjugais perante milhões de pessoas é que me poderia distrair de outra desgraça.

 

Enrosco-me numa manta e inicio a maratona. Sim, eu vejo os episódios a posteriori porque assim posso avançar as partes em que a cota se queixa que o marido não lhe dá assistência técnica e, parecendo que não, isso é logo metade do programa.

 

Num dos episódios, o Daniel cuja mulher não o deixa calçar os saltos altos dela (há mulheres que realmente... são cá umas tinhosinhas... já um homem não pode usar sapatos de mulher que elas se passam logo...) teve um almoço com o José Luís (o tal que assiste muita televisão mas não assiste a mulher) enquanto as mulheres deles desfrutavam de um almoço de gajas, ou seja, um almoço onde se fala mal de gajos.

 

O almoço dos homens começou com o Daniel a mostrar o pénis ao Zé Luís. Calma! Era um pénis de louça, típico da terra dele, mas ele tinha de começar por algum lado...

 

E enquanto a mulher do cota se queixava à amiga que o único sexo que teve foi na noite de núpcias o seu marido oferecia marmelada ao outro. Estão a ver a ironia disto, ou sou só eu?

 

O Daniel aproveitou ainda o almoço a dois para confidenciar "nunca pensei comer da tua marmelada Zé Luís".

Pois a mim pareceu-me que ele está mais para comer a marmelada do Zé Luís do que a da mulher...

 

Por estas, e por outras, quando cheguei ao último episódio a minha actividade neuronal estaria bem próxima da do senhor que tinha falecido... 

 

 

 

20 comentários

Comentar post